Home / News / Epiphany 2015: Dates, Customs, Scripture And History Of ‘Three Kings Day’ Explained

Epiphany 2015: Dates, Customs, Scripture And History Of ‘Three Kings Day’ Explained


The Feast of the Epiphany, marking the end of the 12 Days of Christmas and the new season of Epiphany, is observed on Tuesday, January 6, 2015.

3-kings-ftEpiphany — which is variously known as Theophany, Three Kings Day, Dia de Reis, and El Dia de los Tres Reyes — is a Christian celebration of the revelation of the birth of Jesus to the wider world. This is embodied most in the story of three wise men visiting a newborn Jesus with gifts, found in the Gospel of Matthew 2:1-12.

In this story, Magi (wise men) from the east follow a star to Jerusalem, where they ask the presiding king, Herod, what he knows about a newly born “King of the Jews.” This sounds like a challenge to Herod, who gathers his priests to learn where and who is this king. They relay a prophecy that Messiah will be born in Bethlehem, and Herod sends the Magi there, saying: “Go and search carefully for the child. As soon as you find him, report to me, so that I too may go and worship him.” The wise men — Gaspar, Melchior and Balthasar — eventually find Mary and her son, Jesus, to whom they bow and worship. The Magi give Jesus gifts of gold, frankincense and myrrh, and then return home, for a dream told them to bypass Herod.

While Roman Catholic and Protestant Christianity focuses on the story of the Magi, Eastern Christians, like the Greek Orthodox, celebrate the baptism of Jesus on Epiphany and consider the day to be more important than Christmas.

Traditionally, Epiphany is observed by blessing the home (recalling the Magi’s visit to Jesus’ family), blessing water (especially the Jordan River, where Jesus was baptized), exchanging gifts, performing “Magi plays” (to tell the story of Jesus’ childhood) and feasting, most notably on a “King Cake.”

 

source: huffingtonpost.com

Read or listen to T.S. Eliot’s poem Journey of the Magi here.

Hoje é Dia de Reis, de cantares, de bolos e de prendas, como manda a tradição

O Dia de Reis, que se assinala esta terça-feira, está associado ao bolo-rei e ao “cantar das janeiras” e põe fim às festividades de Natal e Ano Novo, tendo origem na Bíblia.

 

“Tendo Jesus nascido em Belém da Judeia no tempo do rei Herodes, vieram do oriente uns magos a Jerusalém, perguntando: Onde está aquele que nasceu Rei dos Judeus? Porque vimos a sua estrela no oriente, e viemos adorá-lo”, lê-se no evangelho de S. Mateus (capítulo II).

O dia que se assinala esta terça-feira terá origem aqui, sendo o 6 de janeiro mais importante do que o Natal para os cristãos ortodoxos. Assinala a visita de “reis magos” a Jesus, oferecendo-lhe presentes (em Espanha mantém-se a tradição de trocar presentes neste dia), e assinala ainda o fim das janeiras (cantares que na tradição eram religiosos).

Hoje mesmo, e como também já é tradição, grupos de cantares estarão na residência oficial do primeiro-ministro a “cantar as janeiras”, uma ação que implicava ao longo dos anos uma recompensa (comida ou dinheiro), mas que sindicalistas inverteram, porque hoje vão “cantar as janeiras” junto do Ministério das Finanças e oferecer eles uma “prenda”.

Na Amadora vai fazer-se um bolo-rei com 100 metros, um doce tradicionalmente redondo, com frutos secos e cristalizados, que poderá ter origem nas festas de ano novo dos romanos mas que hoje simboliza as ofertas dos “reis magos”.

Em Portugal, até recentemente, tinha dentro dele uma fava e um pequeno brinde, de metal, mas a hipótese de poder ser inadvertidamente engolido acabou com a tradição. Que já tinha estado em risco em 1910, quando da implantação da República, tendo de chamar-se durante algum tempo “bolo de Natal”. Em 1911 houve mesmo uma proposta parlamentar, rejeitada, para alterar o nome para “bolo república”.

A bíblia não faz referência a “reis” mas a magos e também não diz quem eram, mas o tempo encarregou-se de afiançar que eram Belchior, Gaspar e Baltazar, que nalgumas culturas têm a mesma representatividade do que o “pai Natal”, sendo as renas substituídas pelos camelos, nos quais os tais magos, diz a tradição, iriam montados.

Em alguns locais de Espanha deixam-se sapatos na janela durante a noite com erva para alimentar os camelos dos reis, um gesto premiado com doces no amanhecer de hoje. Nada parecido com o ouro, incenso e mirra que ofereceram os reis magos há mais de dois mil anos.

fonte: observador.pt

 

 

Facebook Comments
Print Friendly, PDF & Email
Download PDF
Google+
%d bloggers like this: