Home / Cabo Verde / Abraão Vicente: não há direitos de autor autenticados

Abraão Vicente: não há direitos de autor autenticados


Abraão Vicente critica falta de proteção de direitos de autor no país

Abraão Vicente

Abraão Vicente

O escritor cabo-verdiano Abraão Vicente criticou hoje a ausência de uma política de direitos de autor na área literária em Cabo Verde e defendeu a criação de uma estrutura “profissional” que defenda os criadores.

Abraão Vicente, que lançou esta semana o “e-book” “Amar100medo, Cartas Improváveis & Outras Letras”, em homenagem à sua companheira, a cantora cabo-verdiana Lura, disse à Lusa que a Sociedade Cabo-Verdiana de Autores (SOCA) tem atuado de forma “completamente amadora”.

“O panorama dos «royalties» é um deserto. Não há regulação, não há direitos de autor autenticados”, afirmou, admitindo que, em termos de poesia, Cabo Verde tem “pouquíssimos leitores”, o que constitui um “paradoxo”, uma vez que a grande maioria dos livros publicados no arquipélago nos últimos anos são de poesia.

Abraão Vicente lembrou que, em Cabo Verde, só um escritor ganhou dinheiro, não com os livros, mas por causa deles.

“O único escritor cabo-verdiano que ganhou alguma coisa com a escrita foi Arménio Vieira. Mas ganhou dinheiro pelo Prémio Camões (2009) e não pelos livros em si”, referiu o autor de “O Trampolim”, “E De Repente A Noite”, “Traços Rosa Choque” e “1980 Labirintos”.

 

A Sociedade Cabo-Verdiana de Autores (SOCA) é completamente amadora

“Defendo que se instale uma estrutura profissional, porque o que temos em Cabo Verde é completamente amador. Faz-se de conta. A SOCA é completamente amadora. Não existe. Nem consegue comprar ‘software’ para regular, por exemplo, a passagem das músicas nas rádios”, sublinhou.

As críticas estendem-se igualmente às editoras, com o escritor a afirmar que não valorizam o trabalho dos autores.

Recorrendo ao exemplo de “Amar100medo?”, Abraão Vicente frisou que a “edição de autor” aconteceu por querer “rever” a relação com as editoras, sobretudo depois de ter recebido uma proposta “indecente” de uma delas, que não nomeou.

 

SAPO com Lusa, 5 de Junho de 2014

 

Facebook Comments
Download PDF
Google+
%d bloggers like this: