Home / News / Deputado Candido Rodrigues: as razoes que o levam a desistir da candidatura a lideranca do MpD USA.

Deputado Candido Rodrigues: as razoes que o levam a desistir da candidatura a lideranca do MpD USA.


Carta aberta aos militantes. “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” – João 8:32

 

Prezados militantes e amigos do MpD:

Candodo rodrigues-mpdTendo em conta o inusitado adiamento das eleições à Comissão Política nos EUA, venho por este meio, cumprindo um dever de consciência e desfazendo a intriga e a má-fé reinantes, prestar os seguintes esclarecimentos.

Não havia nenhuma necessidade objectiva para o adiamento das eleições e nem necessidade para tudo isto, se houvesse, no mínimo, o bom senso, o espírito de responsabilidade e, sobretudo, capacidade comunicativa e imparcialidade por parte dos responsáveis neste complexo processo eleitoral. Não exigíamos paternalismo e nem intervencionismo gratuito, mas apenas a imparcialidade e a igualdade de tratamento. É o mínimo que se exige em partidos democráticos.

As várias interferências de bastidores feriram, porém, muitas sensibilidades e criaram uma grande mágoa em pessoas confiáveis e determinantes nesta Região Política.

Eis alguns exemplos:

Só depois de entregarmos a lista é que nos enviaram os cadernos provisórios, tendo, porém, o nosso adversário feito anúncio, publicamente, de números e nomes de militantes inscritos, demonstrando que já estava na posse desses documentos.

Nestas movimentações, até viajaram pessoas de Cabo Verde para os EUA, a fim de ajudarem na organização da outra candidatura, tudo numa cumplicidade vergonhosa e sem escrúpulo, julgando que da nossa parte não estávamos a par do que se estava a passar no terreno.

Introduziram várias centenas de militantes, sendo a maioria deles pertencentes ao nosso principal adversário político, com o único propósito de votar nestas eleições, violando grosseiramente e de forma antidemocrática o Regulamento aprovado para o recenseamento de militantes.

Os nossos recenseados não apareceram nos cadernos eleitorais, sendo que muito mais tarde, após o adiamento das eleições, enviaram-nos os restos destas fichas, dizendo, sem mais, que não estavam completas.

O Delegado do GAPE era informado pelas decisões em Cabo Verde através de elementos da outra candidatura, comprovando a cumplicidade que existia de facto entre as partes.

Tivemos conhecimento de que a lista adversária não foi aceite pelo Delegado por várias violações do Estatuto e Regulamento eleitoral, tendo o Secretariado do partido fornecido informações falsas ao GAPE e, ao mesmo tempo, comunicando directamente com a outra candidatura para a alteração dos documentos, após o prazo estabelecido no cronograma eleitoral, desrespeitando claramente as decisões do seu delegado.

Houve uma troca permanente de contactos e emails entre um dos responsáveis do processo com a outra candidatura e, acidentalmente, estas correspondências vieram parar ao nosso correio electrónico. A verdade é deveras como o azeite!

Pediram-nos para reclamar nos órgãos oficiais do partido e entretanto nunca responderam às reclamações do nosso mandatário, ignorando completamente as várias denúncias e, no final do processo, resolveram enviar-nos as actas dos encontros da Comissão Política nacional, para justificar as alterações do Regulamento e Cronograma Eleitoral e outras medidas que nunca chegaram ao nosso conhecimento na devida altura.

A violação do princípio sagrado da estabilidade eleitoral foi pois, neste caso, ostensiva e preocupante.

Por último, resolveram alterar a data das eleições sem nunca explicar os motivos da alteração, dando claramente oportunidades à outra lista de redimir-se dos erros cometidos e reaparecer como se nada tivesse acontecido.

Lamento profundamente dizer isto, mas os órgãos do partido não funcionaram e nem tiveram o cuidado de avaliar o impacto negativo que estas eleições, organizadas de forma truncada, podem trazer no futuro.

Não quero fazer parte da desunião, mas sim ser mais um elemento importante para a dinâmica do MpD, como sempre fiz até este momento.

A situação é muito grave e os impactos disto tudo poderão ser incalculáveis, independentemente dos resultados eleitorais futuros.

Resolvi, por isso, não avançar com a minha candidatura porque, independentemente dos resultados, achamos que não há condições objectivas de continuar o nosso projecto, que seria obrigatoriamente eleger dois deputados neste círculo eleitoral nas próximas eleições legislativas.

É evidente que, da parte da direcção do partido, não há qualquer vontade política em trabalhar com a nossa equipa e nestas circunstâncias decidimos não avançar.

Conseguimos, num espaço de oito meses, eleger um Deputado na emigração, mas hoje, por capricho da nova “revolução” interna, somos obrigados a afastar para dar lugar a uma nova filosofia de organização.

Mais uma vez, queria agradecer a todos pelo simbólico apoio durante estes três anos de muitas vitórias e muitas alegrias que construímos neste difícil círculo eleitoral para o MpD. Continuarei convosco em busca da verdade e da justiça, e sobretudo pela transparência e igualdade de tratamento. Para trás ficou a nossa marca e o registo daquilo que fizemos, tirando o MpD da angústia durante quinze anos sem poder chegar à casa dos trezentos votos nas eleições legislativas neste importante círculo da diáspora.

Estaremos sempre vigilantes e disponíveis para ajudar o nosso partido de sempre em todas as frentes, rumo à vitória em 2016.

Respeitosamente,

Cândido Rodrigues.

 

 

 

Alberto Montrond, candidato ao cargo de Coordenador do MpD nos EUA comunica a todos.

Facebook Comments
Print Friendly, PDF & Email
Download PDF
Google+
%d bloggers like this: