Home / Commentary / Cavaco mandou votar contra a libertação de Mandela em 1987

Cavaco mandou votar contra a libertação de Mandela em 1987


Cavaco mandou votar contra a libertação de Mandela em 1987

1987 cavaco contra mandela

Hoje, o presidente fala da estatura moral e da universalidade do legado do líder sul-africano; mas em 1987, quando era primeiro-ministro, Portugal votou, ao lado dos EUA de Reagan e do Reino Unido de Thatcher, contra uma resolução que exigia, entre outras coisas, a libertação de Mandela.

Cavaco Silva: depois do voto de Portugal, Mandela ainda ficou mais três anos na cadeia.
Em 1987, o governo português chefiado por Aníbal Cavaco Silva votou contra uma resolução que exigia a libertação incondicional de Nelson Mandela na ONU, Juntando o seu voto apenas aos Estados Unidos de Reagan e ao Reino Unido de Margareth Thatcher. A resolução pode ser lida aqui (em inglês).

A resolução da Assembleia Geral é a 42/23A e tem como título “Solidariedade com a Luta de Libertação na África do Sul”. Teve 129 votos a favor, 3 contra e 23 abstenções. A votação, país por país, pode ser conferida aqui.

Mandela ficaria ainda mais três dos 27 anos que passou na prisão.

Hoje, o mesmo Aníbal Cavaco Silva que mandou votar contra a libertação do líder sul-africano, elogia a sua estatura moral e lembra o “extraordinário legado de universalidade que perdurará por gerações”.

Outra resolução

cavaco-silva12_0

Cavaco Silva: depois do voto de Portugal, Mandela ainda ficou mais três anos na cadeia.

A mancha que essa votação ao lado dos últimos defensores do apartheid deixou em Portugal não desaparece pelo facto de o país ter votado a favor de uma outra resolução, mais moderada, mas que exige a libertação de Mandela. Numa comparação entre as resoluções A e G, salta à vista que esta última não se refere à legalização do Congresso Nacional Africano, de Mandela, partido que se encontrava banido. A resolução G pode ser lida no mesmo PDF que contém a A e a votação está aqui.

Seria interessante ouvir as explicações do então ministro dos Negócios Estrangeiros, João de Deus Pinheiro, sobre os motivos destas votações contraditórias, que ocorreram no mesmo dia. Os EUA e a Grã-Bretanha votaram contra as duas.

A memória não é curta

Numa nota no Facebook, Francisco Louçã lembrou este facto e comentou. “A memória não é curta”.

A eurodeputada Ana Gomes recordou uma outra votação das Nações Unidas sobre as crianças vítimas do apartheid: “Lembro-me de um episódio em 1989, quando tínhamos uma resolução sobre as crianças vítimas do apartheid apresentada pelo grupo africano. Vergonhosamente, tivemos instruções para votar com os Estados Unidos e a Grã-Bretanha, numa posição contrária a essa resolução”, disse à TVI24, acrescentando que “havia muita gente em Portugal que achava que os nossos interesses estavam do lado do apartheid”. O primeiro-ministro era, igualmente, Cavaco Silva.

 

Portugal, PM Cavaco Silva, tenha votado contra em 1987 – para a libertação de Nelson Mandela.

Facebook Comments
Print Friendly, PDF & Email
Download PDF
Google+
%d bloggers like this: