Home / Uncategorized / Cabo Verde venceu a Guiné Equatorial por 2-1 na Várzea

Cabo Verde venceu a Guiné Equatorial por 2-1 na Várzea

tubarao azul
Por Evandro Delgado

Cabo Verde venceu a Guiné Equatorial por 2-1 na Várzea, em jogo da 4.ª jornada do apuramento africano para o Mundial 2014.

Cabo Verde venceu a Guiné Equatorial por 2-1 e continua a sonhar com uma presença no Mundial 2014. Babanco e Djaniny fizeram os golos dos Tubarões Azuis, Obina marcou para os guineenses. No outro jogo do grupo, Tunísia e Serra Leoa empataram a duas bolas..
Depois de saber, embora que de forma oficiosa, da decisão da FIFA em atribuir três pontos a Cabo Verde na derrota com a Guiné Equatorial, os Tubarões Azuis entraram em campo sabendo que um resultado que não fosse a vitória os colocaria fora das contas do apuramento para o Mundial 2014.

Lúcio Antunes estreou uma nova dupla de centrais, com Kay a estrear-se em jogos oficiais nos Tubarões Azuis. O central do Belenenses fez dupla com Gegé e rubricou uma excelente exibição, tal como Carlitos e Marco Sores. Júlio e Djaniny combinaram bem mas o avançado do Olhanense não estava de bem com o golo.

E após uma entrada forte, que teve um golo anulado a Marco Soares, Cabo Verde inaugurou o marcador por Babanco aos oito minutos, num remate com o pé direito dentro da área, após assistência de Júlio.

O golo intranquilizou ainda mais os equato-guineenses e deu a calma necessária aos Tubarões Azuis, que tomaram de assalto a baliza de Danilo, desperdiçando boas oportunidades de golo.

Numa primeira parte de encher o olho, a formação crioula poderia ter chegado ao intervalo a golear, caso os cabo-verdianos estivessem com a pontaria afinada. E nesse aspeto, Djaniny esteve em dia não, falhando golos incríveis.

Com um meio-campo pressionante, a Guiné Equatorial raramente tinha bola. E quando a tinha, o seu futebol passava por fazer passes longos para Nsue, o homem mais perigoso da formação guineense.

Antes de Heldon provocar um “bruá” no estádio, com um remate colocado que foi devolvido pelo poste, já Platini tinha saído, lesionado, entrando Júlio para o seu lugar. Uma entrada boa do avançado do Dijon, que permitiu libertar Djaniny para as alas, onde é forte no um-contra-um.

No segundo tempo a formação de Lúcio Antunes voltou a entrar forte e marcar aos cinco minutos, por intermédio de Djaniny, que finalmente conseguiu encontrar o caminho do golo, após um grande passe de Júlio.

Só que no lance seguinte, a Guiné Equatorial empatou, num desvio de Obina na pequena área, após passe de Nsue. Este golo veio trazer alguma intranquilidade aos Tubarões Azuis que, com o cansaço acumulado ao longo do jogo, foram menos pressionantes. Heldon “estoirou” cedo e foi substituído, tal como Babanco que pediu para sair, já completamente esgotado.

Quem continuava de costas voltadas com o golo era Djaniny, que teve mais uma soberana oportunidade para marcar mas atirou por cima, após passe de Marco Soares. Ainda antes do final, David Silva poderia marcar, depois de uma combinação com Djaniny mas rematou por cima da barra.
Cabo Verde vence pela primeira vez no grupo e, caso a FIFA negue o apelo da Guiné Equatorial sobre a perda de três pontos no jogo da primeira volta frente a Cabo Verde, os Tubarões Azuis passam a somar seis pontos, mantendo ainda aspirações de chegar ao primeiro lugar. No outro jogo do grupo, a Tunísia foi empatar fora com a Serra Leoa e já soma dez pontos em quatro jogos.

Conteúdo publicado por SportInforma

http://desporto.sapo.cv/

Facebook Comments
Print Friendly, PDF & Email
Download PDF
Google+
%d bloggers like this: