Home / Blogs / Carlos Tavares / JOHN MIRANDA BAND: NÃO HÁ DUAS SEM TRÊS

JOHN MIRANDA BAND: NÃO HÁ DUAS SEM TRÊS


BANDA “JOHN MIRANDA” EM PLENA ASCENÇÃO

Carlos Tavares

Carlos Tavares

Depois de preitear, no passado, através da minha escrita os agrupamentos musicais “Os Pecos” e “ Magna Sound” cabe-me agora, por uma questão de justiça, homenagear a banda musical “JOHN MIRANDA”, agrupamento esse que venho acompanhando de há algum tempo a esta parte, e que em abono da verdade tem tido uma ascensão fora de normal, graças ao profissionalismo dos seus integrantes.

 

Este grupo musical é composto por talentosos executantes crioulos, amigos meus de longa data, oriundos da ilha da Brava, onde abundam exímios tocadores de diversos instrumentos musicais. São eles Ney Miranda, multi-instrumentista, Kim Spinola, teclado, Xaxe da Veiga, guitarra e vocal, Napoleão Miranda, lead guitarra e o violinista John Miranda.

john-miranda-band

Sob a direcção dos conceituados Armando Madeira e John Miranda, um administrador de excelência e o outro um eminente violinista, possuidores de uma componente humana que cativa e extasia qualquer pessoa, atributos consistentes e imprescindíveis para o sucesso de qualquer projecto. Aliás, foram eles que atestaram o vazio existente nesta comunidade, no que diz respeito a presença de um agrupamento musical organizado e capaz de dar resposta aos reais anseios e expectativas da nossa coletividade. Ao que parece, com o aparecimento desta banda a questão ficou praticamente solucionada, porquanto tenho encontrado com eles em tudo quanto é lugar, animando as atividades crioula.

 

Estou a falar deste grupo musical, com conhecimento de causa, não sei se é coincidência ou não, mas tenho tido o privilégio de desfruir das suas atuações em diversas festividades onde têm abrilhantado, com um reportório composto por diferentes estilos e géneros músicas cabo-verdianos, interpretados em conformidade com a temática da festa e respeitando a tradição da ilha a que os festejos diz respeito, mas sempre, com maior preeminência das marchas tradicionais da Ilha da Brava e das músicas do célebre agrupamento musical “Cabo Verde Show”.

 

Deixo aqui um apelo às Câmaras Municipais, entidades responsáveis pela organização dos diversos festivais de Santo Antão à Brava, em Cabo Verde, que mudem de estratagema quanto ao agenciamento de artistas para esses festivais. Que deem preferências à prata da casa. Que substituem os grupos musicais estrangeiros, muitas vezes de qualidade duvidosa e que cobram balúrdios em cachet e mordomias para grupos cabo-verdianos que cobram valores simbólicos, por amor a terra. Pois os nossos conterrâneos a única motivação que têm em estar presentes nesses festivais é conviver com os seus patrícios, levar um pouco de saudade da emigração e fazer de tudo para opulentar  a festa. Temos de por de lado o ditado que diz que “prata da casa não faz milagres, portanto não serve e é para por de lado”.

 

Apesar de não pertencer ao mundo da música, sinto-me angustiado enquanto filho de Cabo Verde, pela forma como eminentes artistas cabo-verdianos residentes nos Estados Unidos são discriminados negativamente, em relação ao resto do mundo. Será que a motivação é política como nos alertou o Zeca di Nha Reinalda? Espero que não. Não entendo o porque dos artistas cabo-verdianos, residentes nos EUA raríssimas vezes são lembrados e quando isso acontece, são lhes impostos condições deselegantes e afrontosos, que á partida, recusam. Porque esta segregação? Porque não utilizar o mesmo peso e a mesma medida para todos? Porque oferecem mundos e fundos às bandas vindas da Europa sejam elas cabo-verdianas ou estrangeiras e os dos Estados Unidos não!? Será que há falta de recursos só para os artistas idos dos EUA!? Acho que temos de nos sintonizar e mudar de diapasão.

 

Auguro que, doravante, seja dada uma oportunidade a banda “JOHN MIRANDA”, para estar presente em um dos vários festivais realizados em Cabo Verde para demonstrarem as suas capacidades e fazerem vibrar os cabo-verdianos como eu, que gostam de dançar. Estando certo que não deixarão os organizadores ficarem mal.

 

Carlos Tavares USA, 4 Maio 2015

 

 

Facebook Comments
Download PDF
Google+
%d bloggers like this: